8 de março de 2007

Dia Internacional da mulher

Por Alexandro Gurgel

Hoje não é dia para presentear uma mulher, como em aniversário ou épocas natalinas. É um dia para reflexão em respeito aquelas operárias nova-iorquinas, que fizeram uma grande greve e morreram queimadas, reivindicando melhores condições de trabalho, no dia 8 de março de 1857.

Nos dias em que estamos, a maioria das mulheres ainda padece de salários baixos, violência masculina, excesso de trabalho e desvantagens na carreira profissional. No lar, a mulher tem a obrigação de assumir o papel de dona-de-casa, imposto pela sociedade paternalista.

O objetivo da data é meditar sobre o papel da mulher na sociedade atual e o que representa os avanços conquistados, além de conscientizar a própria mulher. A importância no tratamento social igualitário entre ambos os sexos é absolutamente necessário para a evolução da raça.

A mulher do novo milênio é pra “frentex”, inteligente, sedutora e independente. Ciente dos avanços, ocupando espaços cativos na sociedade, a mulher moderna segue escrevendo novos capítulos na história da humanidade, sem perder a meiguice e a grana para novos desafios.

Há 12 anos, tenho a sorte de compartilhar a vida com uma mulher que sabe usufruir das conquistas femininas. Operadora do Direito, Cléo é incansável na sua busca por justiça social, enfrentando barreiras sem perder a ternura. Sensível, cultiva as belas-letras e sabe se emocionar com a catarse da arte, da poesia e da música, como se fosse alimentos para a alma.

Hoje, ofereço alguns poemas à Cléo, recheados de amor e admiração pela mulher que ela representa na família: como filha, irmã, tia, sobrinha, prima, nora e esposa; e pelo seu papel social como advogada e professora, tendo sempre a modéstia de aprender e se encantar com os mistérios da vida.
-
Soneto para Maria
(Licurgo Carvalho)

Musa galega! Um gesto de dor ou de afeição
Rogo para nunca a feiúra chegue a esse cândido semblante
Diante de Poti, conserva a rudeza pura do sertão
Do Potengi, suplicai a ausência do inferno pálido de Dante.

Em teu olhar não quero a tristeza; não quero
Em tua boca, o suave e idílico veneno da paixão
Contenta-te com o vultoso guerreiro de Homero
Extraindo prazeres de um parnasiano coração.

Deixai-me com memórias do teu corpo, imagem atrativa
O amor, cujo som, de uma harmonia pulsa incessante
Que cante aos ouvidos d’alma, uma poesia limpa e viva.

Versos que acalentem as lembranças no canto do Curió
No leito de Vênus, onde amamos intensamente,
Deixasse impressões nesse epitalâmico chão do Seridó.

Mulheres : Canto de Fé
(Lívio Oliveira)

Leoas, canto-vos
minhas loas.

No ventre imemorial,
sentido recolhido do mundo,
o coração desata
em lutas, trabalho, liberdade
e paz perpétua.

Leoas, trago-vos,
em gratidão,
tantas luas.

Alça-se o vôo e o sonho
é o encontro diário
do filho nutrido
em lácteo, delicado seio.

Leoas, tecelãs
de fibras boas.

Forte vontade,
verdade e coragem,
voz doce,
obra perene,
marcas da dignidade,
indeléveis,
na face amistosa.

Leoas, iluminando
caminhos, veredas, ruas.

Desejo eterno,
limpidez de propósitos,
confiança,
força matriz
que guia povos
e produz homens,
seus eternos meninos.

Mulher
(Luiz Alberto Machado)

Mulher,
Flor do sol, raiz do amanhã.
És, indelével amor, todo dia
o poema que se faz vida.


Mulheres potiguares

Ana Maria cascudo
Ana Paula Cadengue
Auta de Souza
Carolina Wanderley
Civone Medeiros
Cléo Gurgel
Constância Duarte
Cristina Tinôco
Dalia Wilczynski
Daliana Cascudo
Diva Cunha
Dona Militana
Edna Duarte
Fafá Rosado
Gesane Marinho
Glorinha Oliveira
Iara Maria Carvalho
Iracema Macedo
Khrystal
Lane Cardoso
Larissa Rosado
Madalena Antunes
Márcia Maia
Maria Eugênia Montenegro
Maria José Gomes
Micarla de Souza
Myriam Coeli
Nísia Floresta
Nivaldete Ferreira
Palmyra Wanderlei
Romilda Fernandes
Rosalba Ciarline
Sandra Rosado
Sheyla Azevedo
Terezinha de Jesus
Wilma de Faria
Yasmine Lemos
Zila Mamede

2 comentários:

Cléo Gurgel disse...

Fiquei emocionada ao ler seu texto. Amei a mensagem que vc escreveu para as mulheres, em especial a parte que ressalta a importância do compartilhar de sua vida ao meu lado. EU Te amo.

Antoniel disse...

Que bonito, AG.
De primeira!

abçs,
AC