10 de junho de 2006

Natal Celebra o Bloomsday 2006

Por Alexandro Gurgel


Quem gosta de literatura pode até não saber o que é o Bloomsday, mas com certeza já ouviu falar de James Joyce e seu livro “Ulisses”. Publicado em 1922, Ulisses é um romance sobre um dia vivido em Dublim, na Irlanda. Os personagens Stephen Dedalus e Leopold Bloom saem no dia 16 de junho de 1904 em uma jornada épica na cidade de Dublim. O dia 16 de junho passou a ser conhecido, então, como o Bloomsday e, mesmo sem ter acontecido de verdade, passou a ser lembrado em todo o mundo. É o dia de atividades como leituras, encenações, muita festa e homenagens a James Joyce.

Hoje, o Bloomsday é um grande acontecimento inserido no calendário cultural de vários países, em centenas de cidades do mundo. Em Natal, a UFRN, através do Núcleo de Arte e Cultura e do Departamento de Letras, celebra o Bloomsday 2006 com uma exposição que passa em revista a vida e a obra do escritor irlandês que tanto interesse desperta nos escritores, poetas, artistas e intelectuais brasileiros desde a geração moderna de 1922 até nossos dias.

Exposição de fotos, desenhos, quadros, objetos, mostra de vídeos, leituras de parte dos livros, recital, conferências e debates serão partes do programa à disposição do público, no dia 14 de junho, no Museu Câmara Cascudo, na Avenida Hermes da Fonseca. A Celebração do Bloomsday pretende mostrar a vida e obra daquele que é considerado, universalmente, o criador do romance moderno. O evento está sendo organizado por Sônia Othon, diretora do NAC; J. Medeiros, artista multimídia; Falves Silva, poeta visual; e Francisco Ivan, poeta e professor do Departamento de Letras da UFRN.

“Aproximar-se da Obra de James Joyce é recorrer o agitado e caótico século XX, que marcou, indiscutivelmente, o curso vital e literário daquele que é, talvez, o mais discutido escritor entre as vanguardas e a modernidade”, disse o poeta Francisco Ivan. Para recriar esse cenário foram selecionados um vasto material sobre o livro “Ulisses” e sobre o cotidiano do escritor irlandês. Dados que possam ilustrar o evento da melhor maneira possível, mostrando peças de arte produzidas em todo o mundo, inclusive, por artistas de nossa cidade, pois, é notável a admiração dos artistas e poetas natalenses por James Joyce.

“Ao ser o Bloomsday um dia comemorado internacionalmente, aqui, na Cidade/Natal, pretendemos definir a realização desse evento como um marco das influências de Joyce em nossa contemporaneidade, assim como um marco de nossa admiração e veneração por um homem/escritor que se poderia canonizar como mais um Santo/Sábio da Irlanda”, ressaltou Francisco Ivan.

Bloomsday in Natal - 14 de junho de 2006
Local: Museu Câmara Cascudo
Hora: 19:30, abertura da Exposição
Palestra: James Joyce e o Romance Moderno
Recital: A Última Hora de Ulysses
A exposição ficará exposta de 14 a 30 de junho, horário normal do Museu, inclusive, aos sábados e domingos a partir das 13 horas.

PROGRAMAÇÃO

Dia 14 de junho de 2006
19:30 – Abertura da Exposição: Colóquio: James Joyce e o Romance Moderno, debatedores: Prof. Dr. Antônio Eduardo de Oliveira, Prof. Dr. João da Mata, Prof. Dr. Francisco Ivan da Silva; Recital: A Última Hora de Ulysses, trecho recitado em vários idiomas do último episódio de Ulysses. Direção: Pinho Montinelli, Atrizes: Laís Gonçalves, Leila M. Tabosa, Lisbeth Lima de Oliveira e Maria Guadalupe Segunda. Local: Museu Câmara Cascudo. A exposição ficará exposta de 14 a 30 de junho, horário normal do Museu, inclusive, aos sábados e domingos a partir das 13 horas.

EXPOSIÇÕES

1. FOTOGRAFIA DE JOYCE AOS 22 ANOS, em 1904 “Asked what he was thinking about when C.P. Curran photographed him, Joyce replied, ‘I was wondering would he lend me five shillings.” ( Perguntado em que estava pensando quando C.P. Curran o fotografava, Joyce respondeu, ‘eu estava querendo saber se ele me empresta cinco xelins’.)

2. JOYCE CENTENARY, Centenário de Joyce, Dublin, 1982.
3. THE MARTELLO TOWER, Sandycove, Dublin, now, de James Joyce Museum, in which Joyce lived for a period in 1904and which is mentioned in Ulysses ; published by Glen Photography, Dundalk; photographer: Paul Kavanagh. ( A TORRE MARTELLO, Sandycove, Dublin, atualmente, o Museu de James Joyce, onde viveu por um período, em 1904, e que está mencionada no Ulysses.) Veja, logo na abertura do livro, a referência.

4. SHAKESPEARE AND COMPANY, (a lendária Casa Editora, em Paris, onde a Americana, Sylvia Beach, publicou o Ulysses, em 1922, hoje, livraria/antiquarian books).

5. RETRATO DE JAMES JOYCE, óleo sobre tela, 60 x 50m, Francisco Magno. (a partir da foto de Joyce em Zurich, about 1917; publicada na capa de sua volumosa BIOGRAFIA, escrita por Richard Ellmann, the first Revision of the 1959 Classic/New York Oxford Toronto/Oxford University Press, 1982)

6. NATAL ENCONTRA ULISSES (Cartaz do Bloomsday/1999)

7. MAP OF IRELAND, Printed and published in Great Britan — 1969

8. DIRTY DEAR DUBLIN (Obscena Querida Dublin de Joyce)

9. DESIGNER BOOKBINDERS 1982 ULYSSES JAMES JOYCE (Exibição de trinta e cinco cartazes para comemorar o centenário de nascimento de James Joyce & Eric Gill, Centro de Ciências Humanas da Universidade do Texas, Austin, U.S.A.)

10. JOYCE, PARIS, 1922/16 de junho de 2004 (Lápis/desenho sobre papel A4, 210 x 297mm, Francisco Magno)

11. HAKESPEARE AND C. LIBRARY/Joyce’s Ulysses 2005(Lápis/desenho sobre papel A4, 210 x297mm, Francisco Magno)

12. JAMES JOYCE, 22.Set.2004 (Caneta estereográfica sobre papel A4, 210 x 297mm, Francisco Magno)

13. ULYSSES, 2005(Nanquim sobre papel canson, Francisco Magno)

14. RETRATO DE JAMES JOYCE, (Vicente Vitoriano; técnica: pastel seco, 1994, dimensão: {m}. 77 x.53)

15. SONETO PARA JOYCE, Falves Silva (técnica mista; do livro, Uns Sonetos Extrabólica, 2002)

16. JAMES JOYCE, Falves Silva (Técnica: Colagem; do livro, MYTHO-GRÁPHIKOS, Poemas Visuais)

17. JAMES JOYCE, Associação Brasileira de estudos Irlandeses, São Paulo, Bloomsday/99

18. A TOPOGRAPHICAL GUIDE TO JAMES JOYCE’S ULYSSES, Clive Hart and Leo Knuth, Colchester: A Wake Newslitter Press; Fifth impression, with further additions and corrections, 1981.

19. BALADA TO MOLLY BLOOM, Colagem, Falves Silva

20. AS SEREIAS DE ULISSES, (As Garçonetes Douce e Kennedy), Erasmo Andrade – Óleo sobre tela e colagens com jutas, Natal,2002/06; 1.500,00 reais

21. PORTRAITS, J. Medeiros e Flávio Freitas

22. ESCULTURA, Ricardo Veriano

23. THE BOOK OF KELLS-A PRISÃO DE CRISTO, (o Livro de Kells é considerado o mais famoso manuscrito existente na Biblioteca do Trinity College de Dublin, o mais suntuoso manuscrito da Velha Europa Medieval, Século VIII. Foi mencionado por James Joyce, em Ulysses e Finnegans Wake. O Manuscrito, uma mistura do Velho Latim e do texto da Vulgata, é uma obra inacabada, sem começo e sem final; não possui autoria. Foi escrito pelos monges; monges medievais do legendário Mosteiro de Kells, na Irlanda. A vida de Cristo a partir dos Quatro Evangelhos é seu foco).

23.THE BOOK OF KELLS-Chi - Rho - XP (É considerada a mais requintada das páginas ornamentais do Livro de Kells. Exibe as iniciais gregas ‘XP’, as primeiras letras da palavra grega Christi).

3 comentários:

aguinaldo severino disse...

Grande Alexandre, como vais?
longa vida ao bloomsday de natal. você tem as imagens e/ou fotos do que será exposto aí? abraços
aguinaldo severino
http://amseverino.sites.uol.com.br/bloomsday.html

Anônimo disse...

Sr. Alexandre,

A página do Bloomsday está muito graciosa, letreiros, informações e cores em plena harmonia. Parabéns ao amor da turma e à magia do Ivan. Epifania! Sims, brindemos a Joyce com um Fendant de Sion e Poesia mais ainda, bêbidos e abraçados, cantando ópera nos senderos da Nassau Street, ad nauseam. Abraço,
Francisco-Magno D'Araújo.

Anônimo disse...

grande alex: quem melhor poderia fazer um bloomsday senão ivan com seus alunos? bravo a todos e até quarta!