3 de março de 2007

Revista Papangu - 37ª Edição



Engrossando o caldo da cultura e do bom humor

Depois de um carnaval insosso na terra do sal (Mossoró), mas bemtemperado e apetitoso nas outras regiões do Estado, a Papangu chegapara dar mais gosto aos nossos leitores ? foliões ou não ? com onúmero 37 da melhor revista de humor e cultura deste Brasil de MãePreta e Pai João.

A chamada de capa, que traz o sugestivo título? O Reino doFaz-de-conta?, representa o Troféu Papangu de fevereiro, merecidamenteconquistado por aqueles que fazem parte de um certo governo ?DaGente?, grupo político encastelado no cobiçadíssimo Palácio daResistência. Trata-se de uma história faraônica que tem comoprotagonistas a rainha de Mossoregito, Fafá Rosado, e sua pimpolhaFarah-ó. Ambas têm seus nomes envolvidos em denúncias sobre mepotismo,sinecuras, funcionários fantasmas, superfaturamento e toda sorte demanobras e escamoteações do erário.

No Autores & Obras, do bibliófilo Carlos Meireles, o destaque é para olivro de memórias A vida em clave de dó, de autoria da escritorapotiguar Zenaide Almeida Costa, que nasceu na Vila, hoje cidade, de São Miguel, aos 5 de abril de 1923. Neste livro, a escritora faz umapanhado memorialístico compreendendo a sua história, de seusfamiliares e de sua gente, do final da década de 20 do século passadoaté os primeiros anos da década de 30.

Na seção Especial, o colaborador Ênio Leônidas fala sobre a estréia emlivro do escritor Clauder Arcanjo, que lançará no próximo dia 15 ovolume de contos intitulado Licânia. A obra, que sai com o selo daeditora Sarau das Letras, tem orelhas escritas pelo pesquisador ecrítico literário Manoel Onofre Júnior, membro da AcademiaNorte-rio-grandense de Letras.

Já o Talento Potiguar deste mês recebe a assinatura do escritormossoroense Marcos Ferreira, que apresenta ensaio sobre a atividadeliterária do cronista macauense Vicente Serejo. Segundo Marcos, Serejoé a mais fulgurante estrela da crônica potiguar. Nunca em toda ahistórica inexpressão literária deste Estado houve um cronista comtamanho senso artístico, com tal força criadora e precisão estilística?.

O entrevistado desta edição é o poeta natalense Paulo de Tarso Correiade Melo, membro da Academia Norte-rio-grandense de Letras e autor deobras como Talhe Rupestre (1993), Rio dos Homens (2002), e O Sobradodas Palavras (2005). A entrevista, com fotos de Carlos José e ChicoRodrigues, foi concedida aos papangunistas Clauder Arcanjo e DavidLeite.

Sempre procurando inovar e aperfeiçoar a sua linha editorial, aPapangu inaugura neste número de fevereiro a seção Direto do Cafofo,um espaço onde o leitor poderá conferir as mais impressionantes,cabeludas e acaloradas discussões do Estado. Nesta estréia, entreoutros assuntos, destacamos a querela aberta entre o jornalista PedroCarlos, do jornal O Mossoroense, e o médico psiquiatra Milton Marquesde Medeiros, reitor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte? UERN.

Nesta edição também o artigo do escritor Chico Lopes, o conto deClauder Arcanjo, as seções Raio-X, Papangusando e Em Cartaz. No espaçoreservado à poesia, a presença dos poetas Nilto Maciel, Lilia Souza,Jotta Paiva, Iara Maria Carvalho, Monick Munay, Marcos Ferreira, YedaPrates Bernis, Cefas Carvalho e Paulo de Tarso Correia de Melo.No rol de colaboradores fixos, a sempre instigante participação dospapangunistas Alexandro Gurgel, Antônio Alvino, Raildon Lucena, DavidLeite, Antonio Capistrano, Yasmine Lemos, Damião Nobre, Marco Túlio,Louro Dedé, Cefas Carvalho, Jotta Paiva e Túlio Ratto.

É a Papangu em 2007 engrossando o caldo da cultura e do bom humor.Mais temperado impossível. E o que é melhor: sem ressaca.

Um comentário:

João Mauricio disse...

Prezado Alexandre,

Não sabia da existência dessa revista. Perdoe-me a ignorância. Fiquei curioso para conhecê-la. Ela é distribuida em Natal?