28 de julho de 2007

Fotografia e Poesia

AG Sued
Refúgio
Lívio Oliveira, Natal RN

Tu me recebeste
na noite fria e calma,
branca,
entre os lençóis revoltos.
Não contive meus impulsos
e me doei
e me doí
diante do teu corpo
santo.
Envolvi-me entre os teus cabelos
e mergulhei,
inteiro,
lambuzando-me dos fluidos
cintilantes
que emanavam
de teus lábios
de teus tantos lábios
de teus fartos lábios.
Ingressei,
sem medo,
degredado entre tuas coxas,
tuas cavernas e vazantes,
correndo, desatinado,
nos mirantes mais altos
das falésias ornadas
dos teus seios plenos.
Protegi-me, também,
refugiei-me, com pressa,
das chuvas de seivas,
saliva, suores,
entre as madeixas louras,
cachoeiras de veludo e seda,
que escorriam sobre tua face
e teus peitos pálidos,
vivas auréolas rosadas.
Dormi, enfim,
entre os teus perfumes,
após sorver o mais doce veneno
que preparaste para mim.
Dormi. Enfim.

Um comentário:

Isabela disse...

Fotografia perfeita! Luz e sombras semióticas. Lindo.
Belo poema também. Bem imagético!