4 de abril de 2008

Um poema de Rosa de França

Absolvição

Andou por minhas vilas,
Por meus estreitos,
Meus caminhos mais noturnos.

Não me deixou marcas!
Sonhei com sua existência!

Sorrateiro, abriu janelas,
Achou-me em estado bruto.
Canteiro... Esculpiu-me!

Deixou-me poucas escolhas!
Lancei-me ao solo!... Parti-me!

5 comentários:

Sandro disse...

Oi Rosa Linda! Pq Absolvição?

Rosa de França disse...

Sinto-me honrada por ser mais um Ponto entre os Grandes amigos que por aqui circulam. Beijos e chuva poética para todos.

Rosa de França disse...

Sandro, nada como partir-se, para, então, descobrir-se liberto, absolvido por, simplesmente, não ser culpado.

janaina disse...

Seu poema é muito belo e enigmático...desperta curiosidade quanto ao sentido e isso é o que mais adimiro em seus poemas,espero que possas crescer cada dia mais neste dom e alcançar grande sucesso...beijos

denilsonabreu disse...

Mais um belo filhote (que é como ela chama os seus poemas), da minha amada esposa. Um belíssimo poema solto ao mundo. Livre, adequando-se a imterpretações próprias daqueles que o leram. Parabéns amor.