4 de maio de 2008

No princípio, eram todos Verborrágicos

por Alexandro Gurgel

Escolher a palavra exata, reunindo frases coerentes em contextos factíveis, encadeando as idéias numa seqüência empolgante, formando frases, orações e períodos. Fechar o ciclo, utilizando o parágrafo. Recomeçar o processo. Ser analógico. Olhar à frente. Preparar o leitor para o que virá a seguir. E assim, jovens escritores natalenses se reúnem para decidir o que será escrito, como se um desafio literário temperasse aquele grupo inquieto, os Verborrágicos.

Toda a produção literária dos Verborrágicos é publicada no blog homônimo (www.verborragicos.myblog.com.br), cujo objetivo é criar um referencial de literatura local, um espaço no qual os novos escritores possam se “reunir” e se fortalecer na busca por sua inserção no mercado literário, criando uma singela “vitrine da nova literatura potiguar”, como o grupo se define.

Atualmente, a trupe literária dos Verborrágicos é composta por Cefas Carvalho, Pablo Capistrano, Cosme Ferreira, Kalina Paiva, Rodrigo Medeiros e Tullio Andrade (foto). Porém, além desses escritores, qualquer pessoa com qualidade literária pode publicar seus textos de forma gratuita no site, sem que aconteça nenhum tipo de seleção ou censura. “Encontramos na internet um lugar alternativo, barato e de grande alcance para divulgar o trabalho da gente, já que o mercado editorial estava muito fechado”, ressaltou Túlio Andrade, o mentor do grupo.

Conforme Tullio Andrade, a cada semana, são publicados textos de novos talentos e, paralelamente, é alimentado um banco de dados com contatos para eventuais mediações entre patrocinadores ou interessados em conhecer os trabalhos divulgados. Além de apresentar os textos dos Verborrágicos, o site traz matérias jornalísticas sobre a área cultural, editais de concursos literários, dicas de leitura com resenhas de livros, manual do escritor com dicas sobre como escrever melhor e orientação a respeito de registro de obras e direitos autorais.

O trabalho que os jovens literatos têm feito vem chamando a atenção da imprensa, rendendo várias reportagens sobre seus afazeres, tendo seu reconhecimento em maio do ano passado, pelo Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), um projeto do Governo Federal que mapeia as principais iniciativas de estímulo a leitura no País. A satisfação dos Verborrágicos ficou estampada no orgulho de terem sido encontrados pelos organizadores do projeto PNLL. “Essa é uma prova q1ue nosso trabalho está funcionando atém dos limites do Estado”, disse Túlio.

Para participar do projeto dos Verborrágicos não há qualquer tipo de custo ou seleção. Basta que os autores enviem um e-mail com seus textos e contatos. Essa é a forma mais democrática encontrada para atender a todos sem que haja qualquer tipo de discriminação de estilo, sexo e idade. Quanto à comunidade, os leitores possuem um canal direto onde podem opinar livremente sobre cada texto sem que haja nenhum tipo de censura.

No entanto, é necessário criar condições estruturais de maior qualidade. Atualmente, o projeto funciona de maneira independente como forma de blog, limitando bastante as possibilidades de serviços que podem ser oferecidos. Assim, a maior meta para esse ano é a transformação deste espaço inicial em site propriamente dito. Segundo Tullio Andrade, é necessário criar parcerias ou conseguir patrocínios para que o grupo possa arcar com os custos que envolvem esse processo, tais como contratar um web-designer, registrar o domínio do site, pagar um servidor de hospedagem do site etc.

Produção literária em mp3

Os Verborrágicos já lançaram dois volumes virtuais com seus textos em forma de E-Books contendo os mais diversos autores com seus diferentes estilos e gêneros literários como crônicas, romances, contos e poesia. A novidade é que os livros podem ser apreciados em arquivos de áudio mp3, disponível para download no site do grupo. Os livros também podem ser baixados em formato pdf para a leitura.

Conforme Tullio Andrade, a idéia surgiu em junho do ano passado, a partir de uma visita a um site de uma fundação de apoio aos deficientes visuais. “A idéia me parecia muito condizente com a proposta dos Verborrágicos porque visava democratizar o acesso a literatura, sem restrições”, explica o escritor, dizendo que conseguiu um programa para converter de texto para áudio.

Entre as principais vantagens do novo formato, Tulio Andrade cita a praticidade de poder armazenar os arquivos em tocadores de mp3 e celulares para ouvir os textos em qualquer lugar. De acordo com o escritor, o novo formato vem preencher uma lacuna causada pela aceleração do ritmo das pessoas que não têm tempo para leitura. “É uma forma de continuar consumindo a literatura produzida no Estado adaptada a nova realidade nos dias de hoje”, disse.

Porém, mesmo com toda tecnologia empregada para disseminar seus textos, o líder dos Verborrágicos afirma que os áudios-books não irão substituir os livros tradicionais. “Quando a pessoa lê um livro no papel, há toda uma atmosfera imaginária do cenário, do enredo e dos personagens. Acredito que os arquivos de áudios podem perder um pouco desse clima. Por outro lado, se ganha com um alcance maior do texto”, enfatiza.

O verbo rasgado de Tullio Andrade

Natalense da gema, o jovem escritor é jornalista graduado nos quadros da UFRN e criador do grupo dos Verborrágicos, quando começou suas incursos literárias em 2006, divulgando os novos talentos literários potiguares. Participou de vários concursos literários, nos quais conquistou o 5º lugar no concurso de crônicas “Rubens Braga”, da Academia Cachoeirense de Letras, rendendo uma cadeira como membro correspondente e todo ano, ele publica na revista anual da Academia.

Em 2004, Tullio Andrade foi semifinalista do “Concurso de Redação da Fundação Assis Chateaubriand e em 2005, ganhou Menção Honrosa no Concurso de Contos do Portal Cá Estamos Nós. Em 2007, Túlio ganhou ainda Menção Honrosa no concurso “Paulo Leminski”. “Participo dos concursos como uma alternativa para suprir a falta de recursos. “Os concursos dão uma visibilidade muito grande e cria uma cadeia de influencias”, explica.

Ainda em 2007, o escritor foi classificado em 2º lugar no concurso nacional “Monteiro Lobato de Literatura Infantil”. O prêmio é promovido pelo SESC do Distrito Federal. Foram 191 escritores inscritos. Após uma seleção dos 15 melhores autores, três foram escolhidos para disputar a grande final. Entre eles, o verborrágico Tullio Andrade. O conto vencedor é “Uma aventura diferente” que visa incentivar as crianças ao hábito de leitura.

O conto “Uma aventura diferente” é o primeiro trabalho do autor voltado para o público infantil. O enredo conta as aventuras de um garotinho que não gosta de ler. O que Beto gosta de verdade são os jogos eletrônicos. Segundo o autor, a idéia do livro é incentivar a leitura nas crianças. “O personagem acaba caindo nas páginas de um livro e a partir daí vai ajudar as letras a vencer um vilão. Com isso, ele acaba descobrindo palavras e aprendendo coisas novas”, reflete o autor.

Tullio Andrade já tem três livros escritos, porém nenhum deles foi publicado. O obstinado escritor chegou a conseguir a aprovação do livro intitulado “Perto do Chão”, que retrata a invasão do bando do cangaceiro Lampião à cidade de Mossoró, na lei de incentivo “Djalma Maranhão”, mas teve grandes dificuldades para captar recursos junto a patrocinadores. “Falta a sensibilidade dos patrocinadores para criar oportunidade para quem está começando”, desabafa.

O romance “Perto do Chão” são os relatos contidos num diário de uma personagem sem rosto e sem nome que morava em Mossoró na época e narra suas visões do fatídico dia 13 de junho de 1927, quando o bando de Lampião atacou a cidade. Tullio garante que o livro traz uma versão nova e polêmica sobre a morte do cangaceiro Jararaca. “No início do livro, o cangaceiro Jararaca assassina o filho dessa personagem. Então, a narrativa é sobre a busca de vingança por parte dela até matar o bandido”, revela.

O outro romance do jovem Verborrágico que está no prelo chama-se “Morte Absoluta”, criado quando Túlio leu o poema de Manoel Bandeira com o mesmo título e que se baseia nas indagações que os versos deixaram na cabeça do autor. “Como seria se eu existisse e as pessoas não saber que eu existia? É um livro bastante reflexivo. Não vou falar em filosofia”, reflete.

Em plena sintonia com a nova literatura potiguar, Tullio se diz apaixonado pela obra de Nísia Floresta, porém é leitor preferencial de seus contemporâneos como Carlos Fialho, Pablo Capistrano, Cefas Carvalho, entre outros. “Estou descobrindo aos poucos o pessoal da velha guarda da literatura potiguar e estou encantado com tanta qualidade literária. Ao mesmo tempo, descubro que nossos escritores ainda não são valorizados e reconhecidos pelos prórpios potiguares”, lamenta.

2 comentários:

Lemnisco disse...

Grandiosa a atitude dos Verborrágicos em divulgar a nova produção litária do nosso estato. Grandiosa tb eh a atitude do Grande Ponto em apresentar aos seus leitores e visitantes esta grande coloboraçao para cultura potiguar.

Clara disse...

9º CONCURSO DE LITERATURA DA FUNDAÇÃO CULTURAL DE CANOAS (RS)

A Fundação Cultural de Canoas (RS) promove o 9º Concurso de Literatura - Conto, Crônica e Poesia, com entrega dos trabalhos até 31 de julho de 2008, SEM TAXA DE INSCRIÇÃO. O primeiro lugar de cada gênero receberá 100 exemplares da coletânea a ser editada, o segundo 50 exemplares, o terceiro 30 exemplares, e as menções honrosas 5 exemplares. Todos os participantes receberão certificado de participação. O regulamento e a ficha de inscrição estão no site www.fundacan.com.br ou pelo fone/fax (51) 3059.6938. Os trabalhos premiados estarão integrados à coletânea SEM NENHUM ÔNUS.

Gratos pela divulgação!
Clara Forell
Assessora Cultural da FCC

1. REGULAMENTO

1.1 - Poderão inscrever-se autores do Brasil e de qualquer nacionalidade, desde que enviem o texto em português (Brasil) nos gêneros conto, crônica e poesia.

1.2 - A Fundação Cultural de Canoas receberá inscrições ao Concurso até o dia 31 (trinta e um) de julho de 2008, em sua sede, localizada na Av. Victor Barreto, 2301, Canoas/RS- Brasil, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, ou através de correio postal.

1.3 - Cada candidato poderá concorrer com até 2 (dois) trabalhos de cada gênero, não sendo permitidos trabalhos já publicados (inclusive na internet) ou premiados, nem serão aceitos plágios de outros trabalhos. O responsável por plágio será desclassificado e, se premiado, obrigado a devolver o prêmio que tiver recebido.

1.4 - Os trabalhos, em três vias, papel formato A4 (297 x 210) com título, páginas numeradas, rubricadas e sob pseudônimo, em fonte Times New Romam, corpo 12, espaço interlinear 1,5. Os trabalhos deverão ser enviados em envelope fechado.

1.5 - Um CD com o respectivo arquivo gravado em formato .doc (Word) deve acompanhar os trabalhos. (Todos no mesmo CD).

1.6 -Um envelope anexo, opaco e rigorosamente fechado, conterá externamente, o pseudônimo do concorrente e o título do trabalho; internamente, a ficha de inscrição com o nome completo e verdadeiro, o número da Carteira de Identidade, CPF, endereço, local e data de nascimento do autor, juntamente com um breve currículo. Na ficha de inscrição deverá constar a assinatura do concorrente autorizando a Fundação Cultural de Canoas a publicar coletânea com o(s) trabalho(s) do autor, caso seja premiado.

1.7- Para os trabalhos enviados pelo correio considerar-se-á, para efeito de atendimento ao prazo de encerramento das inscrições, a data da postagem. A Fundação não se responsabilizará por extravio ou danos por acondicionamento inadequado ou incorreto de qualquer original.

1.8 - Os originais não serão devolvidos.

1.9 - No caso de usar o correio postal, enderece para Fundação Cultural de Canoas, Av. Víctor Barreto, no 2001, CEP 92010-000, Canoas, RS, Brasil.

2. SELEÇÃO E PREMIAÇÃO

2.1 - Os trabalhos serão avaliados até 2 (dois) de setembro de 2008, por uma comissão formada por 3 (três) escritores ou estudiosos de cada um dos gêneros literários, indicados pela Fundação Cultural de Canoas.

2.2 - A comissão terá liberdade de julgamento, sob os aspectos técnicos e estéticos dos trabalhos, sendo-lhe facultado negar a concessão de prêmios, desde que não encontre, nos trabalhos inscritos, méritos suficientes para a premiação.

2.3 - A premiação consistirá no seguinte: O primeiro colocado de cada gênero receberá 100 (cem) exemplares da coletânea que será editada com os trabalhos premiados; o segundo, 50 (cinqüenta); o terceiro 30 (trinta) e as três menções honrosas de cada categoria, 5 (cinco) exemplares. Todos os participantes receberão certificado de participação.

2.4 -Independente da premiação geral do Concurso, serão concedidos mais três prêmios: 10 (dez) exemplares da coletânea para cada autor canoense que apresentar o melhor trabalho em conto, crônica e poesia.

2.5 - O resultado geral será divulgado pela imprensa, pelo www.fundacan.com.br na página destaques. Os premiados serão cientificados através de correspondência, e os prêmios serão entregues até janeiro de 2009.

2.6 -Não poderão concorrer pessoas que exerçam cargos ou funções na Fundação Cultural de Canoas.

2.7 -A entrega dos originais ou sua remessa juntamente com a ficha de inscrição, implicará na aceitação, por parte do concorrente, de todas as normas do presente Regulamento.Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora.