24 de julho de 2008

Um poema de Cefas Carvalho

Estilhaços

Rasguei o passado, rompi os tratados
Icei âncora e naveguei em outros mares

Nunca antes navegados

Rasguei os diários, os relatos
Destruí os sonetos
Lancei por terra papéis, porta-retratos
Projetos, sonhos mal feitos

Atirei pela janela as contas
As malas já prontas
Os manuais de instrução
Quebrei o interfone, o portão
As boas intenções
Queimei o livro dos sermões, os cordéis
Estilhacei cartas, papéis
Destruí minhas alianças, meus anéis

Investi contra moinhos, mapeei
novos caminhos
Da lei, fiz só rascunhos
Destruí com os meus punhos
Meus totens tão mesquinhos

Amassei os versos, parti espelhos
Engoli os verbos, fiquei de joelhos
Abri mapas, fechei portas
Escrevi torto por linhas tortas

Por você...

2 comentários:

Modesto Batista disse...

Muito bom a poesia, simplesmente show.

Cláudia Magalhães disse...

Lindo! Lindo! Esse meu marido me deixa tão emocionada...