21 de março de 2009

Fotografia & Poesia

O Vaqueiro
Patativa do Assaré

Eu venho dêrne menino,
Dêrne munto pequenino,
Cumprindo o belo destino
Que me deu Nosso Senhô.
Eu nasci pra sê vaquêro,
Sou o mais feliz brasilêro,
Eu não invejo dinhêro,
Nem diproma de dotô.
-
Da minha vida eu me orgúio,
Levo a Jurema no embrúio
Gosto de ver o barúio
De barbatão a corrê,
Pedra nos casco rolando,
Gaios de pau estralando,
E o vaquêro atrás gritando,
Sem o perigo temê.
-
Criei-me neste serviço,
Gosto deste reboliço,
Boi pra mim não tem feitiço,
Mandinga nem catimbó.
Meu cavalo Capuêro,
Corredô, forte e ligêro,
Nunca respeita barsêro
De unha de gato ou cipó.
-
Tenho na vida um tesôro
Que vale mais de que ôro:
O meu liforme de côro,
Pernêra, chapéu, gibão.
Sou vaquêro destemido,
Dos fazendêro querido,
O meu grito é conhecido
Nos campo do meu sertão.
-
Eu não sei tocá viola,
Mas seu toque me consola,
Verso de minha cachola
Nem que eu peleje não sai,
Nunca cantei um repente
Mas vivo munto contente,
Pois herdei perfeitamente
Um dos dote de meu pai.
-
O dote de sê vaquêro,
Resorvido marruêro,
Querido dos fazendêro
Do sertão do Ceará.
Não perciso maió gozo,
Sou sertanejo ditoso,
O meu aboio sodoso
Faz quem tem amô chorá.

2 comentários:

Jesus de Miúdo. disse...

Patativa do Assaré, um doutor na arte de versar. Um nordestino que cantou sua simplicidade dando vida a coisas deapercebidas muitas vezes, mas que nos são caras. É a nossa cultura.
Belo poema. Digno de entrar num Grande Ponto!

Pedro Augusto www.seridopintadocompalavras.blogspot.com disse...

Escolher o melhor de Patativa não é uma tarefa fácil. Tão difícil quanto escolher o melhor de Luiz Gonzaga. Mas esse, sem dúvidas, é o poema que mais gosto, dentre as tantas jóias que ele nos presenteou. Nada representa tão bem a cultura nordestina, quanto os versos de Patativa: simples, puro, autêntico e muito tocante.