9 de junho de 2009

Memorial Câmara Cascudo

Alex Gurgel
Para o turista conhecer a alma natalense é necessário visitar o “Memorial Câmara Cascudo” e ver de perto a importância do Mestre para a cultura local. Muito do que havia de lendas e tradições brasileiras não se perderam porque Câmara Cascudo, como nacionalista que era, percebeu que havia um tesouro popular no País que ninguém se dava ao trabalho de pesquisar e catalogar.

Decifrando a personalidade cascudiana, o jornalista Vicente Serejo escreveu: “Com mais de uma centena de títulos entre livros, traduções, opúsculos e artigos publicados no Brasil e em vários países, viveu a vida vendo e ouvindo, lendo e escrevendo, sem nunca pensar em deixar sua terra. Por isso não aceitou o fardo da Academia Brasileira de Letras e nem o convite de Juscelino para ser reitor da Universidade de Brasília. Viveu e morreu na sua aldeia. Genial e humilde. Pobre e feliz”.

O Memorial Câmara Cascudo tem como objetivo preservar e divulgar a vida e a obra de Luís da Câmara Cascudo, abordando diversos aspectos. O principal destaque é a biblioteca particular de Câmara Cascudo, com cerca de 10 mil volumes de diversos assuntos como folclore, religião, História, biografias e romances.

A biblioteca é considerada “obra rara” por possuir livros do início do século passado e livros em diversos idiomas. Grande parte dos livros tem anotações de próprio punho de Cascudo e dedicatórias dos autores. Além dos livros que compõem a biblioteca, encontram-se ainda as correspondências de Cascudo com diversos intelectuais como Mário de Andrade, Monteiro Lobato, Carlos Drummond, Gilberto Freyre, entre outros.

O Memorial abriga ainda a exposição permanente “O Mestre Câmara Cascudo” em um total de cinco salas que abordam aspectos estudados pelo Mestre em sua vasta obra literária. O prédio, em estilo neoclássico, é uma construção do século XVIII, erguida para servir de sede ao Real Erário. Foi reconstruído em 1875 para ser à Tesouraria da Fazenda. Já serviu também para uso do Quartel General do Exército durante a ditadura militar.

Um comentário:

JOAQUIMTUR disse...

Sem dúvida, conheçendo a história desse grande Mestre Luís da Cãmara Cascudo, daríamos mas valor a Cultura de Natal, do Rio Grande, do Brasil e do Mundo e Viva Cascudo!!!