9 de junho de 2009

Um xêro no cangote

Versos de Bob Mottra

Num tem coisa mais gostosa,
qui dêxe eu mais inxirido,
no forró de chão batido,
do qui um xêro no cangote.
Ao som d'um gostôso xote,
de tudo, o cabra s'isquece.
Cum seu pá disaparece,
in procura d'um serrote.

Se o xêro é na cavalêra,
no seu vistido rodado,
p'ru debaixo duis babado,
se arrupêia tôdinha.
No iscuro, no cumpanhêro,
pede ôto xêro, de nôvo,
e uis dois se sôme duis pôvo,
pura porta da cunzinha.

É xêro, abraço apertado,
ela in nêle e êle in nela,
qui numa hora daquela,
só quere sabê de amô.
Tendo pru quilaridade,
a luz do luá, somente,
e uma istrêla cadente,
manda p'ru inferno o pudô.

Antes do fim do forró,
nêsse momento preciso,
uis dois vorta cum um surriso,
e cada oiá mais profundo.
Uis dois entra no salão,
cum uis amigo se depara,
cada um apresenta a cara,
mais dirlambida do mundo.

E se acauso se passô,
o qui aqui eu tô pensando,
vão logo se perparando,
qui eu vô dizê prá vocêis:
O resurtado e o produto,
dêsse xêro no cangote,
preste atenção e anote;
só dispôi de nove mêis!...

2 comentários:

Rachel disse...

Eita negócio bom danado!!!
Grande Bob Motta...Tive o prazer de conhecê-lo no Pôr do Sol no Rio Potengi ao som de Galvão Filho.
Conversas e prosas poéticas.
Forte abraço.
Rachel Rabelo.

Rachel disse...

Eita negócio bom danado!!!
Grande Bob Motta...Tive o prazer de conhecê-lo no Pôr do Sol no Rio Potengi ao som de Galvão Filho.
Conversas e prosas poéticas.
Forte abraço.
Rachel Rabelo.