24 de julho de 2007

Coisas do Grande Ponto

A carteira de Clarice, do Sindicato dos Jornalistas, com o sobrenome de casada
-
Clarice "Gurgel" Lispector
30 anos depois da morte da autora da “A hora da estrela”, seu último livro, descubro que Clarisse Lispector era minha prima por afinidade. Ela foi casada durante 16 anos com o primo diplomata Maury Gurgel, vivendo na países da Europa e nos Estados Unidos. Os 30 anos de morte têm sido oportunos para a releitura das obras da autora; eventos espalham-se pelo país, incluindo a exposição no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, que em setembro chegará ao Rio.
-
Morre Jaime Lúcio
Foi encontrado o corpo do teatrólogo Jaime Lúcio, 63 anos, que faleceu ontem em casa, cuja causa ainda é desconhecida. Jaime Lúcio fez história nos anos 70, com o grupo teatral Nuvem Verde e a banda Gato Lúdico.

Veja matéria completa do jornalista Alex de Souza, no NoMinuto
Veja matéria na íntegra
Veja o vídeo de um dia a poesia com Jaime Lucio, em 1996.
Assista ao vídeo
-
Pedrinho no Seis & Meia
o compositor potiguar Pedro Mendes se prepara para lançar o quinto disco de estrada, chamado “Fera Nova”, mesmo nome de sua canção gravada por diversos músicos da cidade e do Brasil. Com 27 anos de carreira, Pedrinho imortalizou Natal na sua canção “Linda Baby”. Seus Cds anteriores, “Esquina do continente”, “Um Pedro a mais”, “Cantam-me” e “Canto-os”, trazem composições e interpretações que Pedrinho mostra hoje, nos palcos do Teatro Alberto Maranhão, a partir das 18h30.

O show nacional na linha da jovem guarda, Wanderléa fará sua apresentação também lembrando um pouco da carreira, quando começou em 1950 em programas infantis de calouros na Rádio Mayrink Veiga, do Rio de Janeiro. Em 1965, com Roberto e Erasmo Carlos, plantou a semente da jovem guarda com o programa exibido aos domingos pela TV Record de São Paulo. Nesse período atingiu o auge de sua carreira e, pela performance peculiar na interpretação do então hit em todas as paradas de sucesso, a música “Ternura”, ganhou o apelido de Ternurinha, pelo qual é conhecida até hoje.

2 comentários:

Lívio Oliveira disse...

Essa família Gurgel é mesmo talentosa! Até a Clarice!!!!!!!
Abração, Alex!

benechaves disse...

Alex: a Clarice era uma bela mulher quando jovem. E uma grande escritora. Recentemente revi o filme 'A hora da estrela', da Suzana Amaral, que continua sendo tb um belo filme.

Um abraço...

Obs: li, dias atrás, uma reportagem que o nosso saudoso Alexis fez para o jornal o Poti em dezembro de 1970 sobre a Peixada da Comadre. Está no livro 'Memória do Comércio'(RN) sobre alguns empresários que deram força e dinâmica ao comércio no Rio Grande do Norte.
E lá está o seu pai numa foto aparecendo de quase perfil mostrando parte do rosto e o seu cabelo penteado.