25 de julho de 2007

Dia Nacional do Escritor

ARTIGO

por Lívio Oliveira

Em 1960, por decreto governamental, o dia 25 de julho foi instituído como Dia Nacional do Escritor. Tal iniciativa se deveu ao sucesso do I Festival do Escritor Brasileiro, organizado naquele ano pela União Brasileira de Escritores- UBE, por iniciativa de seu presidente, à época, João Peregrino Júnior, e de seu vice-presidente, o célebre escritor baiano Jorge Amado.

A pergunta que se faz, ao nos debruçarmos sobre a importância dessa data, é: no que concerne aos escritores do Rio Grande do Norte, o que temos para comemorar?

Aqueles que têm dedicado o seu labor literário, buscando a palavra a mais exata e com teor estético que busca alcançar a perfeição, têm encontrado, nestas plagas, dificuldades das mais diversas para publicação e difusão de suas obras.

Ademais, a formação de um público leitor – onde as prioridades governamentais não nos permitem a identificação de rumos no tocante à opção pela cultura e pela educação do povo que guiam – torna-se mais e mais dificultosa, com estorvos de toda natureza. Basta lembrar a atual situação da Biblioteca Pública Câmara Cascudo, um equipamento importantíssimo que se encontra à míngua, deixando de colaborar com a formação e a informação de milhares de estudantes e leitores feitos e por fazer.

Óbvio que a falta de prioridade do poder público (a Prefeitura de Natal e a Funcarte têm sido, no meu entender, honrosas exceções) tem concorrido com outros obstáculos de naturezas distintas: a falta de visão dos pais que não incentivam os filhos a se debruçarem sobre os livros; a disputa desleal com a TV e a internet; dentre outras e outras razões.

Importante lembrar uma recente iniciativa que conta com o apoio da Assembléia Legislativa (e, esperamos, com a sanção governamental futura). Trata-se da Lei do Livro Potiguar, elaborada numa parceria entre aquela casa legislativa e a UBE-RN.

Acreditamos que essa e outras boas fórmulas de mudança (e, obviamente, o talento do escritor potiguar) podem vir a transformar o nosso cenário literário atual e nos trazer motivos de orgulho e comemoração nos próximos 25 de julho.
-
Lívio Oliveira é presidente da União Brasileira dos Escritores do Rio Grande do Norte.

Um comentário:

Leon K. disse...

Sinto falta de escritores potiguares nas bibliotecas escolares e universitárias... no Cefet e na UFRN, a incidência é mínima... em escolas públicas estaduais então... nem se fala.

A falta de movimentação dos ltieratos no estado também influencia.. mas atividades como a Feira dos Sebos acho que é um caminho para a disseminação da literatura do estado.

Espero que mais escritores, além de poetas amadores, blogueiros, etc. de nosso estado mexam-se em mais atividades conjuntas.

Veio a calhar o texto do Lívio Oliveira.

Abraço.