23 de novembro de 2008

“Escritos do Silêncio” do escritor Modesto Batista deve sair entre dezembro e janeiro

O novo livro do poeta angicano Modesto C. Batista Neto, já tem nome e sobrenome, “Escritos do Silêncio” é o titulo da segunda obra poética do jovem poeta.

Com um time de “craques” na produção do livro o contorno da poesia de Modesto Batista ganha traços mais consistentes e fortes.

Dr. Adalberto Targino membro da UBE – (União Brasileira de Escritores) e presidente da Academia Norte-rio-grandense de Letras Jurídicas prefacia o livro a afiança: “expresso a minha crença e esperança na poesia de Modesto Batista, desde o seu primeiro livro a este e outros que certamente virão, consolidando e aperfeiçoando a sua lira, que já o denuncia como um dos grandes valores jovens da poesia norte-rio grandense” afirma Adalberto Targino.

Na capa, a arte fica por conta da artista plástica e professora Maria Fidelis.

Nas orelhas, o artista plástico e escritor Carlos Costa assinou a sua marca.

Nos comentários que foram colocados nas ultimas paginas do livro a professora Margarete Ramalho especialista em literatura brasileira pela UFRN fala das imagens e dos contornos poéticos do jovem poeta Modesto Batista.

“A poesia de Modesto tem algo de iluminado e sombrio, mas além de todo sentimento extravasado pelo poeta o que fica em maior evidencia é sua autenticidade que de tão grande parece irreal” analisa o amigo Ítalo Luan.

Com influencias contemporâneas e clássicas vindas de outros setores artísticos como musica e teatro o escritor escreveu “Escritos do Silêncio” com um tom forte de surrealismo e com certos traços modernistas e ultra-românticos.

“Primeiro que o rotulo limita o autor e prejudica o processo de criação, eu sou um poeta da poesia e não de uma escola literária definida, as influencias existem é claro, seria hipocrisia nega-las” conta o escritor Modesto Batista.

Além de não definir-se como sendo membro de uma escola literária ele vai além e afirma que “a poesia é muito grande, magnífica e ampla para ser sempre definida, enumerada, rotulada e encaixotada, na poesia lidamos com sentimentos e fragmentos da vida e não com matemática ou física quântica”, diz sobre um sorriso o jovem escritor.

O escritor Modesto C. Batista Neto é colunista do jornal “Cajarana”, membro da SPVA – (Sociedade dos Poetas Vivos e Afins do RN) e secretário responsável pela pasta de cultura e artes da ADA – (Agência para o Desenvolvimento de Angicos).

O lançamento do livro ainda não tem data marcada, mas sesta previsto para que seja entre dezembro e janeiro.

4 comentários:

Rodrigo Torres/Assu disse...

Mais um grande fruto da região central potiguar, com certeza como bem citou Dr. Adalberto Targino, já é um dos valores importantes da poesia norte-rio-grandense.

Se continuar neste caminho tem tudo pra se torna o maior, boa sorte – (ainda não é indispensável).

Max Ferreira disse...

É isso ai, jovem, inteligente, só podia ser poeta.

Parabéns Modesto pela segunda obra.
E parabéns Alexandro por divulgar pessoas que fazem parte da cultura potiguar como é o companheiro ai.

Carlos Costa disse...

Prazer, foi um grande prazer pra mim ecrever as orelhas desta obra.

Maria José disse...

Grande poeta o Modesto, e grande jornalista cultural o Alexandro.

Parabéns meninos.